Frontpage Slideshow | Copyright © 2006-2010 JoomlaWorks, a business unit of Nuevvo Webware Ltd.

Criar PDF Recomendar Imprimir

 

nerainforma n.º 99, julho 2018

Nº Boletim 99 Data Agosto 2018
Ficheiro(s):

 


2018 - PRIMEIRA REFLEXÃO

SEGUIR EM FRENTE

Presidente Site

O verão está a terminar e numa região como a nossa, em que a economia é fortemente influenciada por múltiplas atividades direta ou indiretamente ligadas ao turismo, importa avançar já com uma primeira reflexão sobre a sua evolução.
Os números oficiais conhecidos já nos permitem referir que – em termos de turismo se registam quebras nalguns mercados (Reino Unido, Holanda, Alemanha) e crescimentos noutros (França, Itália), o que se reflete numa quebra no Aeroporto de Faro até finais de agosto (-2,2%) mas que ainda poderá ser recuperada até ao final do ano. Enquanto que, no que se refere a portugueses, considerando dormidas, temos um crescimento até finais junho (6%).
É evidente que este quadro se refletiu na economia e na atividade da esmagadora maioria das empresas da região. Com impactos diferentes. O quadro não é uniforme. De facto alguns setores consideram que o ano foi negativo, outros acham que acabou por ser melhor do que chegaram a temer e outros ainda consideram que foi positivo. Algumas empresas, perante as incertezas e dificuldades, atuaram com rapidez e não hesitaram em corrigir a sua forma de atuação.

Estes dados, no entanto, já nos permitem iniciar alguma reflexão.
Não podemos esperar por dezembro.
Assim, em termos de turistas portugueses vamos provavelmente, no total do ano, ter um crescimento em relação a 2017.
Mas no que diz respeito a turistas estrangeiros vai ser difícil atingir um crescimento em relação ao ano anterior.
Devemos encarar este dado de forma serena: estaremos apesar de tudo perante uma consolidação dos importantes crescimentos de 2016 e de 2017 – 2,4 milhões de dormidas - (1,5 milhões em 2016/15 e mais 900 mil em relação a 2017/16). No conjunto destes três anos o saldo não deixa de ser positivo. O que, no atual contexto internacional, é relevante. É bom não esquecer que entre 2001 e 2014 não crescemos em dormidas de estrangeiros!
Existem causas objetivas que explicam em parte a evolução em 2018: a falência de algumas companhias aéreas (Monarch, Air Berlim e Niki), a recuperação de alguns mercados concorrentes (Turquia, Egito, Marrocos, Tunísia) e a sua agressividade de preços, como já tínhamos alertado na nossa mensagem de julho.

Hoje é muito importante, no Algarve, refletirmos sobre estes resultados. Para evitar atitudes erradas.
Na minha opinião, mesmo sem dados finais, são de facto várias e muito importantes as lições, para já, a tirar desta situação.
Primeira: é errado entrar em euforias quando se está a crescer, pois conduz a esquecer a concorrência e a necessidade de qualificar a oferta.
Segunda: é necessário manter uma política de preços inteligente, que tenha sobretudo em conta que a concorrência não desapareceu.
Terceira: importa ter sempre presente que o Turismo é uma atividade complexa que, para além da concorrência, depende de muitos fatores externos que não controlamos.
No fundo considero que, por exemplo, seria útil fazer-se uma reflexão regional sobre a evolução da nossa economia neste 2018. Empresários, entidades ligadas ao turismo, associações. Para afinar a estratégia da região. Para estimular o trabalho em conjunto. E não nos limitarmos a repetir que é preciso «mais promoção e mais rotas aéreas». Ou a fingir que se discute «turismo» na véspera de eleições. É um ritual inútil que tem décadas.

Para além de que continuam a persistir problemas de fundo que continuam a não ser resolvidos: a mobilidade na região (EN125, Via do Infante, eletrificação da ferrovia, ligação ferroviária ao aeroporto, etc.); problemas de estruturas de saúde, e outras, numa região que recebe centenas de milhares de pessoas; problemas de qualidade ambiental e higiénica; problemas de formação profissional; e outros que não vou referir e que tem a ver com a consolidação de uma imagem de qualidade da região, em todo o seu território, em todos os seus concelhos, freguesias e lugares.

Para já não falar de «problemas políticos». De um Algarve que continua sem voz e sem peso em «Lisboa», mas que já está em campanha eleitoral… como todo o país!

Vítor Neto

Presidente da Direção do NERA

 


 

 APROVEITE ATÉ 28 DE SETEMBRO FORMAÇÃO TOTALMENTE GRATUITA

FORMAÇÃO FINANCIADA - FORMAÇÃO MODULAR CERTIFICADA,

NOMEADAMENTE PARA TRABALHADORES DE MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

 Plano de Formação 2016

O NERA – Associação Empresarial da Região do Algarve, beneficiando do financiamento do CRESC Algarve 2020 | Portugal 2020, encontra-se a desenvolver o Projeto Formações Modulares Certificadas, nomeadamente, para trabalhadores de micro e pequenas empresas, que tem como objetivo melhorar a empregabilidade da população (desempregados, empregados, em particular empregados em risco de desemprego), através do desenvolvimento de competências para o mercado de trabalho.

Neste âmbito, o NERA encontra-se realizar no mês de setembro, nas suas instalações e em Lagos, nas instalações do Município, as seguintes Ações de Formação Modulares Certificadas:

Lagos:
- Atendimento – Técnicas de Comunicação.

Loulé:
- Getsão de Stocks;
- Primeiros Socorros (laboral e pós-laboral);
- Novas Formas de Publicidade;
- Língua Inglesa – Técnicas de Escrita;
- Introdução ao Código de Contas e Normas Contabilísticas;
- Cortesia, Etiqueta e Protocolo no Atendimento;
- Atendimento - Técnicas de Comunicação;
- Técnicas de Venda;
- Legislação Laboral.

A participação nas ações é gratuita.

Destinatários: Ativos empregados, com habilitações iguais ou superiores ao 9.º ano, colaboradores de micro ou pequenas empresas.

Documentos para inscrição (apenas se consideram as inscrições dos(as) candidatos(as) que apresentarem todos os documentos solicitados):
• Ficha de Pré-Inscrição (em Anexo).
• Declaração de Situação Face ao Emprego:
Declaração a preencher pela empresa ou Declaração a preencher pelo(a) candidato(a).
• Certificado de Habilitações; ou Declaração Comprovativa de Habilitações Literárias
• Documento bancário com IBAN, comprovando que o(a) candidato(a) é titular de Conta (para efeito de pagamento de Sub. Alimentação, quando aplicável)

Poderá consultar o referido Plano de Formação e efetuar a sua inscrição nas várias Formações Modulares Certificadas, acedendo à opção “Formação Profissional – Formação Co-Financiada”, no sítio do NERA www.nera.pt ou então poderá contactar o Gabinete de Formação do NERA através dos seguintes contactos:

Tel.: 289 415 151
E-mail: gfo@nera.pt

FMC - Logótipos

 


 

TOURISM UP

TourismUP

Os Territórios Criativos e o Turismo de Portugal são promotores do Tourism Up, um programa de aceleração de âmbito nacional desenhado para apoiar projetos de empreendedorismo nas áreas do turismo e promoção de produtos endógenos, preferencialmente em territórios de baixa densidade e/ ou afastados dos grandes centros urbanos.

Nos meses de setembro e outubro, o Tourism Up vai percorrer o país a dinamizar oficinas de empreendedorismo com o intuito de divulgar o programa e selecionar um finalista que terá acesso direto ao programa de aceleração, que decorrerá entre 19 de novembro e 12 de dezembro, sendo que a participação nos bootcamps inclui alimentação e estadia gratuitas.

O programa disponibiliza 5000€ em prémio monetário. As candidaturas ao Tourism Up podem ser efetuadas através da inscrição numa das 30 nas oficinas do roadshow que se irão realizar de norte a sul do país.

A oficina em Loulé será no próximo dia 20 de setembro, pelas 15h30, na Biblioteca Municipal de Loulé.

Inscrições em:  http://bit.ly/1loule  

Poderá consultar o Programa e ao respetivo Regulamento, acedendo ao site do NERA em www.nera.pt 

 


 

IRS E IRC

AUTORIDADE TRIBUTÁRIA DEVERÁ DISPONIBILIZAR FORMULÁRIOS COM 120 DIAS DE ANTECEDÊNCIA

No Diário da República de 8 de agosto foi publicada a Lei N.º 39/2018 que estabelece um prazo mínimo de 120 dias de antecedência para a disponibilização dos formulários digitais da responsabilidade da AT, procedendo desta forma à alteração do artigo 59.º da Lei Geral Tributária.

Foi finalmente publicado o diploma que estabelece um prazo limite para que os formulários digitais referentes à declaração modelo 3 do IRS, modelo 22 do IRC e da Informação Anual de Informação Contabilística e Fiscal (IES).

Assim, caso a AT não cumpra com o prazo supramencionado a data limite para a entrega da declaração de impostos deve ser estendida pelo mesmo número de dias do atraso.

De realçar a disposição transitória da Lei N.º 39/2018 onde se estabelece que, para 2018 e 2019, e para efeitos de adaptação dos serviços, o prazo de antecedência mínima de disponibilização dos formulários é de 90 dias, em relação à data limite do cumprimento da obrigação declarativa.

                                                           

 


 

MEDIDA ESTÁGIOS PROFISSIONAIS

ABERTURA DO 3º PERÍODO DE CANDIDATURA DE 2018

IEFP Site 

No âmbito da Medida Estágios Profissionais, que visa apoiar a realização de estágios profissionais por desempregados inscritos no IEFP, contribuindo, nomeadamente, para apoiar a inserção de jovens no mercado de trabalho e a reconversão profissional de desempregados através de uma experiência prática em contexto de trabalho, e nos termos do calendário de candidaturas aprovado pelo Conselho Diretivo do IEFP para o ano de 2018, vai ter lugar o terceiro período de candidatura do ano 2018.

Este período de candidatura decorre entre as 9h00 do dia 1 de setembro e as 18h00 do dia 1 de outubro de 2018, nos termos do aviso de abertura que se encontra disponível para consulta neste Portal. Tem uma dotação orçamental de 37 milhões de euros, prevendo-se apoiar cerca de 6.900 estágios.

A candidatura à medida é efetuada pela entidade, no portal iefponline, na área pessoal de cada entidade, devendo ser efetuado o registo prévio, caso ainda não esteja registada.

Durante este período de candidatura será possível formalizar o pedido de Prémio ao Emprego, apoiando a celebração de contratos de trabalho sem termo, com ex-estagiário, relativos à contratação de ex-estagiários das medidas Estágios Profissionais, Estágios Emprego, Estágios de Inserção e REATIVAR.

Para o efeito, as entidades promotoras devem efetuar o registo prévio da oferta de emprego no portal acima indicado, antes da celebração do contrato com o ex-estagiário e da realização do pedido de apoio.

Antes de se candidatar, consulte o regulamento e verifique as regras de acesso a esta medida. Mais informações e esclarecimentos podem ser obtidos através do Centro de Contacto, disponível todos os dias úteis das 8h00 às 20h00, Tel: 300 010 001.


 


 

REGIÃO DO ALGARVE JÁ TEM PLANO DE AÇÃO E SALVAGUARDA DA DIETA MEDITERRÂNICA

Após um período de consulta pública, já foi aprovada a versão definitiva do Plano de Ação e Salvaguarda da Dieta Mediterrânica para a região do Algarve, no qual participam as entidades que elaboraram a candidatura da Dieta Mediterrânica (DM) a Património Cultural Imaterial da Humanidade, apresentada por sete países (Portugal, Chipre, Croácia, Grécia, Espanha, Itália e Marrocos) e aprovada no dia 4 de dezembro de 2013, na 8ª Sessão do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da UNESCO.

Na introdução do Plano, Francisco Serra, presidente da Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR Algarve) e da Comissão Regional da Dieta Mediterrânica, sublinha a necessidade de assegurar “a articulação entre as ações e atividades de forma a otimizar as ligações e sinergias entre os parceiros, garantindo uma atuação concertada a nível regional e dando resposta à concretização do Plano de Salvaguarda”.

“Com a apresentação do Plano de Atividades 2018-2021, pretende-se apoiar a sua continuidade de modo sustentável e transmitir às gerações vindouras o conceito da Dieta Mediterrânica” sublinha Francisco Serra, destacando o papel da Universidade do Algarve na elaboração do documento, no qual estão “listadas intervenções que foram objeto de consenso regional sendo um projeto transversal ao território e estruturante no âmbito da estratégia regional pela capacidade que têm em mobilizar domínios relevantes para a região da identidade à produção e consumo.”

“O esforço de valorização e promoção dos valores culturais e naturais deverá ser encarado como uma oportunidade para o desenvolvimento de atividades com relevância socioeconómica e como forma de acrescentar valor à oferta regional contribuindo para a consolidação do turismo cultural e de natureza e para o combate à sazonalidade”, conclui o presidente da CCDR Algarve.

Tendo integrado o grupo de trabalho que preparou a candidatura em 2011, a CCDR Algarve dinamizou a constituição de uma Comissão Regional da Dieta Mediterrânica em 2014, a qual tem como objetivo acompanhar os projetos “Dieta Mediterrânica - Algarve”, que têm vindo a ser aprovados no âmbito dos Programas Operacionais regionais, e integra a CCDR Algarve, Universidade do Algarve, Município de Tavira, Direção Regional de Cultura do Algarve, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve, Região de Turismo do Algarve, Turismo de Portugal (Escola de Hotelaria e Turismo do Algarve - Faro e Escola de Hotelaria e Turismo de Vila Real de Santo António), Associação In Loco, Associação dos Hoteleiros e Industriais do Algarve, Confraria dos Gastrónomos do Algarve, Confraria dos Enófilos e Gastronómica do Algarve, Tertúlia Algarvia e Fundação Portuguesa de Cardiologia – Algarve.

Definindo os objetivos e as iniciativas considerados estratégicos para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial da Dieta Mediterrânica no âmbito de: (1) identificação, investigação e documentação; (2) preservação e proteção; (3) promoção e valorização e (4) transmissão, através da educação formal e não formal, o Plano ficará disponível para consulta pública e monitorização nos suportes de comunicação digital de todos os parceiros.

 


 

INOV CONTACTO

CANDIDATURAS ATÉ 4 DE OUTUBRO

Está a decorrer, até 4 de outubro, o prazo para submissão de candidaturas à 23.º edição do INOV Contacto, uma iniciativa da AICEP Portugal Global.

O programa, dirigido a jovens diplomados até aos 29 anos, oferece centenas de oportunidades de estágio no estrangeiro, remuneradas e com duração de entre seis a nove meses.

As empresas nacionais ou estrangeiras interessadas em acolher estagiários ao abrigo do INOV Contacto, devem também efetuar a sua candidatura.

Para mais informações consulte o site www.iapmei.pt

 


 

QUER CRIAR O SEU PRÓPRIO EMPREGO?

CONTE COM APOIO TÉCNICO GRATUITO DO NERA

No âmbito do Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego – PAECPE, o NERA presta, gratuitamente, apoio técnico prévio à aprovação de projetos de criação do próprio emprego ou de empresas, contemplando o apoio específico à conceção e estruturação do projeto, incluindo elaboração de planos de investimento e de negócio.

A consolidação dos projetos aprovados, nos dois primeiros anos de atividade, é igualmente alvo de acompanhamento da execução e consultoria por parte do NERA – até um máximo de 80 horas – em aspetos de maior fragilidade na gestão ou na operacionalidade, entretanto diagnosticados.

Deste apoio resultou, até agora, na área geográfica correspondente ao distrito de Faro, a aprovação de 65 projetos de criação do próprio emprego nos mais variados setores, com destaque para os serviços. Se pretende criar o seu próprio emprego, contacte nera@nera.pt ou 289 41 51 51.

 

 



 

PROTEÇÃO DA PARENTALIDADE (MATERNIDADE)

DIREITOS DA TRABALHADORA GRÁVIDA, PUÉRPERA E LACTANTE

No âmbito da proteção da maternidade a legislação nacional prevê um conjunto de direitos.

A trabalhadora grávida, puérpera e lactante tem direito a:
• licença parental inicial exclusiva da mãe, paga a 100% da remuneração de referência, sendo obrigatório o gozo de 6 semanas de licença a seguir ao parto. A mãe pode gozar até 30 dias da licença parental inicial antes do parto;
• licença em situação de risco clínico para a trabalhadora grávida ou para o nascituro pelo período de tempo que, por prescrição médica, for necessário para prevenir o risco, sem prejuízo da licença parental inicial;
• licença por interrupção de gravidez com duração entre 14 e 30 dias, mediante apresentação de atestado médico;
• dispensa do trabalho para consultas pré-natais e para a preparação para o parto, pelo tempo e número de vezes necessários;
• dispensa da prestação de trabalho por parte de trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, por motivo de proteção da sua segurança e saúde, na impossibilidade de a entidade empregadora lhe atribuir outras tarefas, sendo o montante diário dos subsídios igual a 65% da remuneração de referência. A trabalhadora grávida, puérpera ou lactante, ou os seus representantes, têm direito de requerer à Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) uma ação de fiscalização, a realizar com prioridade e urgência, se a entidade empregadora não cumprir as obrigações em termos de proteção da segurança e saúde da trabalhadora grávida, puérpera ou lactante;
• dispensa diária para amamentação durante o tempo que durar a amamentação, gozada em dois períodos distintos, com a duração máxima de uma hora cada, salvo se outro regime for acordado com a entidade empregadora, devendo a trabalhadora apresentar atestado médico se a dispensa se prolongar para além do primeiro ano de vida do filho. No caso de nascimentos múltiplos, a dispensa é acrescida de mais 30 minutos por cada gémeo além do primeiro;
• dispensa de prestação de trabalho suplementar da trabalhadora grávida e durante todo o tempo que durar a amamentação se for necessário para a sua saúde ou para a da criança;
• dispensa da trabalhadora grávida, puérpera ou lactante de prestar serviço em horário de trabalho organizado de acordo com regime de adaptabilidade, de banco de horas ou de horário concentrado;
• dispensa da trabalhadora de prestação de trabalho no período noturno, entre as 20 horas de um dia e as 7 horas do dia seguinte, durante um período de 112 dias antes e depois do parto, dos quais pelo menos metade antes da data previsível do mesmo; durante o restante período de gravidez, se for necessário para a sua saúde ou para a do nascituro; durante todo o tempo que durar a amamentação, se for necessário para a sua saúde ou para a da criança, devendo apresentar atestado médico com a antecedência de 10 dias. O montante diário dos subsídios é igual a 65% da remuneração de referência, na impossibilidade de a entidade empregadora lhe imputar outras tarefas. À trabalhadora dispensada da prestação de trabalho noturno deve ser atribuído, sempre que possível, um horário de trabalho diurno compatível, ficando dispensada do trabalho sempre que tal não seja possível.

Conceitos de trabalhadora grávida, puérpera e lactante:
• trabalhadora grávida - trabalhadora em estado de gestação que informe a entidade empregadora do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico;
• trabalhadora puérpera - trabalhadora parturiente e durante um período de 120 dias a seguir ao parto que informe a entidade empregadora do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico ou certidão de nascimento do filho;
• trabalhadora lactante - trabalhadora que amamenta o filho e informe a entidade empregadora do seu estado, por escrito, com apresentação de atestado médico.

 


 
Divulgação:

Para que possa lançar, expandir ou rentabilizar a atividade da sua empresa, o NERA , para além de todos osserviços e apoios que tem vindo a prestar aos empresários da Região, ou aos que aqui se pretendem instalar,dispõe de um serviço de aluguer/cessão de uso de salas e espaços variados, situadas no seu Centro Empresarial de Negócios.

As salas/ espaços poderão ser arrendadas por períodos variáveis, desde por horas ou dias a mensal, anual ou plurianualmente.

O uso de qualquer destes espaços traz consigo vantagens adicionais, como:
- inserção num espaço comum de múltiplas utilizações e não isolado;
- uso imediato de energia e água;
- possibilidade de acesso a serviços diversificados, como: fotocópias, fax, mail, gestão de correspondência ou contactos, etc.;
- integração no núcleo da NERA, onde encontra disponibilidade do uso ocasional de espaços e serviços, entre os quais salas para reuniões, apresentações de produtos ou formação, salas de congressos,organização de eventos, secretariado, aluguer de mobiliário, etc.;

Também disponibilizamos serviços de sediação de empresas e gestão de contactos.

 

O NERA em parceria com a PLMJ – Sociedade de Advogados, R.L., irá realizar no dia 30 de setembro, pelas 14 horas, no Auditório do NERA, o seminário subordinado ao tema “Alojamento Local”, tendo como principal objetivo o esclarecimento dos princípios e das regras aplicáveis ao alojamento local.

 

O Programa deste seminário, bem como a respetiva Ficha de Inscrição e as informações técnicas necessárias irão encontrar-se, brevemente, disponíveis no site do NERA em www.nera.pt.

 

Login Form